Mudanças de comportamento: apps destinados ao Android 14 ou mais recente

Assim como as versões anteriores, o Android 14 inclui mudanças de comportamento que podem afetar o app. As mudanças de comportamento a seguir se aplicam exclusivamente a apps destinados ao Android 14 (nível 34 da API) ou versões mais recentes. Caso seu app seja direcionado ao Android 14 ou a versões mais recentes, faça as modificações necessárias para oferecer suporte a esses comportamentos de forma adequada, quando aplicável.

Consulte também a lista de mudanças de comportamento que afetam todos os apps executados no Android 14, independente da targetSdkVersion do app.

Principal recurso

Os tipos de serviço em primeiro plano são obrigatórios

Caso o app seja direcionado ao Android 14 (nível 34 da API) ou versões mais recentes, é necessário especificar pelo menos um tipo de serviço em primeiro plano para cada serviço em primeiro plano no app. Escolha um tipo de serviço em primeiro plano que represente o caso de uso do app. O sistema espera que serviços em primeiro plano com um tipo específico atendam a um caso de uso específico.

Se um caso de uso no app não estiver associado a nenhum desses tipos, é recomendável migrar a lógica para usar o WorkManager ou jobs de transferência de dados iniciados pelo usuário.

Aplicação da permissão BLUETOOTH_CONNECT no BluetoothAdapter

O Android 14 aplica a permissão BLUETOOTH_CONNECT ao chamar o método BluetoothAdapter getProfileConnectionState() para apps destinados ao Android 14 (nível 34 da API) ou versões mais recentes.

Esse método já exigia a permissão BLUETOOTH_CONNECT, mas ela não foi aplicada. Confira se o app declara BLUETOOTH_CONNECT no arquivo AndroidManifest.xml, conforme mostrado no snippet a seguir, e verifique se um usuário concedeu a permissão antes de chamar getProfileConnectionState.

<uses-permission android:name="android.permission.BLUETOOTH_CONNECT" />

Atualizações do OpenJDK 17

O Android 14 continua o trabalho de atualizar as principais bibliotecas do Android para se alinhar aos recursos das versões mais recentes do LTS do OpenJDK, incluindo atualizações de bibliotecas e suporte à linguagem Java 17 para desenvolvedores de apps e plataformas.

Algumas dessas mudanças podem afetar a compatibilidade do app:

  • Mudanças em expressões regulares: referências inválidas a grupos agora não são permitidas para seguir mais de perto a semântica do OpenJDK. Será possível conferir novos casos em que uma IllegalArgumentException é gerada pela classe java.util.regex.Matcher. Portanto, teste o app para áreas que usam expressões regulares. Para ativar ou desativar essa mudança durante os testes, configure a flag DISALLOW_INVALID_GROUP_REFERENCE usando as ferramentas do framework de compatibilidade.
  • Processamento de UUID: o método java.util.UUID.fromString() agora faz verificações mais rigorosas ao validar o argumento de entrada. Por isso, talvez uma IllegalArgumentException apareça durante desserialização. Para ativar ou desativar essa mudança durante os testes, configure a flag ENABLE_STRICT_VALIDATION usando as ferramentas do framework de compatibilidade.
  • Problemas com o ProGuard: em alguns casos, a adição da classe java.lang.ClassValue causará um problema se você tentar reduzir, ofuscar e otimizar o app usando o ProGuard. O problema se origina em uma biblioteca Kotlin que muda o comportamento no momento de execução, dependendo se Class.forName("java.lang.ClassValue") retorna uma classe ou não. Se o app tiver sido desenvolvido em uma versão mais antiga do ambiente de execução sem a classe java.lang.ClassValue disponível, essas otimizações poderão remover o método computeValue das classes derivadas de java.lang.ClassValue.

O JobScheduler reforça o callback e o comportamento da rede

Since its introduction, JobScheduler expects your app to return from onStartJob or onStopJob within a few seconds. Prior to Android 14, if a job runs too long, it stops and fails silently. If your app targets Android 14 (API level 34) or higher and exceeds the granted time on the main thread, the app triggers an ANR with the error message "No response to onStartJob" or "No response to onStopJob". Consider migrating to WorkManager, which provides support for asynchronous processing or migrating any heavy work into a background thread.

JobScheduler also introduces a requirement to declare the ACCESS_NETWORK_STATE permission if using setRequiredNetworkType or setRequiredNetwork constraint. If your app does not declare the ACCESS_NETWORK_STATE permission when scheduling the job and is targeting Android 14 or higher, it will result in a SecurityException.

Experiência do usuário

Notificações seguras de intent de tela cheia

Com o Android 11 (nível 30 da API), era possível que qualquer app usasse Notification.Builder.setFullScreenIntent para enviar intents de tela cheia enquanto o smartphone estava bloqueado. Era possível conceder essa permissão automaticamente na instalação do app declarando a permissão USE_FULL_SCREEN_INTENT no AndroidManifest.

As notificações de intent de tela cheia são projetadas para notificações de altíssima prioridade que exigem a atenção imediata do usuário, como uma ligação recebida ou configurações de despertador definidas pelo usuário. Para apps destinados ao Android 14 (nível 34 da API) ou versões mais recentes, os apps que podem usar essa permissão são limitados àqueles que fornecem chamadas e alarmes. A Google Play Store revoga as permissões USE_FULL_SCREEN_INTENT padrão para todos os apps que não se encaixam nesse perfil. O prazo para essas mudanças na política é 31 de maio de 2024.

Essa permissão continua ativada para apps instalados no smartphone antes da atualização para o Android 14. Os usuários podem ativar ou desativar essa permissão.

Você pode usar a nova API NotificationManager.canUseFullScreenIntent para verificar se o app tem a permissão. Caso contrário, ele poderá usar a nova intent ACTION_MANAGE_APP_USE_FULL_SCREEN_INTENT para iniciar a página de configurações em que os usuários podem conceder a permissão.

Segurança

Restrições a intents implícitas e pendentes

Em apps destinados ao Android 14 (nível 34 da API) ou versões mais recentes, o Android impede que os apps enviem intents implícitas para componentes internos do app destas maneiras:

  • Intents implícitas são entregues apenas a componentes exportados. Os apps precisam usar uma intent explícita para enviar para componentes não exportados ou marcar o componente como exportado.
  • Se um app criar uma intent pendente mutável com uma intent que não especifica um componente ou pacote, o sistema vai gerar uma exceção.

Essas mudanças impedem que apps maliciosos interceptem intents implícitas destinadas ao uso de componentes internos de um app.

Confira um filtro de intent que pode ser declarado no arquivo de manifesto do app:

<activity
    android:name=".AppActivity"
    android:exported="false">
    <intent-filter>
        <action android:name="com.example.action.APP_ACTION" />
        <category android:name="android.intent.category.DEFAULT" />
    </intent-filter>
</activity>

Se o app tentar iniciar essa atividade usando uma intent implícita, uma exceção será gerada:

Kotlin

// Throws an exception when targeting Android 14.
context.startActivity(Intent("com.example.action.APP_ACTION"))

Java

// Throws an exception when targeting Android 14.
context.startActivity(new Intent("com.example.action.APP_ACTION"));

Para iniciar a atividade não exportada, o app precisa usar uma intent explícita:

Kotlin

// This makes the intent explicit.
val explicitIntent =
        Intent("com.example.action.APP_ACTION")
explicitIntent.apply {
    package = context.packageName
}
context.startActivity(explicitIntent)

Java

// This makes the intent explicit.
Intent explicitIntent =
        new Intent("com.example.action.APP_ACTION")
explicitIntent.setPackage(context.getPackageName());
context.startActivity(explicitIntent);

Os broadcast receivers registrados no ambiente de execução precisam especificar o comportamento de exportação

Os apps e serviços direcionados ao Android 14 (nível 34 da API) ou versões mais recentes que usam receptores registrados pelo contexto precisam especificar uma flag para indicar se o receptor precisa ou não ser exportado para todos os outros apps no dispositivo: RECEIVER_EXPORTED ou RECEIVER_NOT_EXPORTED, respectivamente. Esse requisito ajuda a proteger os apps contra vulnerabilidades de segurança usando os recursos desses receptores introduzidos no Android 13.

Exceção para receptores que recebem apenas transmissões do sistema

Se o app estiver registrando um receptor apenas para transmissões do sistema usando métodos Context#registerReceiver, como Context#registerReceiver(), ele não precisará especificar uma flag ao registrar o receptor.

Carregamento mais seguro de código dinâmico

If your app targets Android 14 (API level 34) or higher and uses Dynamic Code Loading (DCL), all dynamically-loaded files must be marked as read-only. Otherwise, the system throws an exception. We recommend that apps avoid dynamically loading code whenever possible, as doing so greatly increases the risk that an app can be compromised by code injection or code tampering.

If you must dynamically load code, use the following approach to set the dynamically-loaded file (such as a DEX, JAR, or APK file) as read-only as soon as the file is opened and before any content is written:

Kotlin

val jar = File("DYNAMICALLY_LOADED_FILE.jar")
val os = FileOutputStream(jar)
os.use {
    // Set the file to read-only first to prevent race conditions
    jar.setReadOnly()
    // Then write the actual file content
}
val cl = PathClassLoader(jar, parentClassLoader)

Java

File jar = new File("DYNAMICALLY_LOADED_FILE.jar");
try (FileOutputStream os = new FileOutputStream(jar)) {
    // Set the file to read-only first to prevent race conditions
    jar.setReadOnly();
    // Then write the actual file content
} catch (IOException e) { ... }
PathClassLoader cl = new PathClassLoader(jar, parentClassLoader);

Handle dynamically-loaded files that already exist

To prevent exceptions from being thrown for existing dynamically-loaded files, we recommend deleting and recreating the files before you try to dynamically load them again in your app. As you recreate the files, follow the preceding guidance for marking the files read-only at write time. Alternatively, you can re-label the existing files as read-only, but in this case, we strongly recommend that you verify the integrity of the files first (for example, by checking the file's signature against a trusted value), to help protect your app from malicious actions.

Mais restrições para o início de atividades em segundo plano

Para apps destinados ao Android 14 (nível 34 da API) ou versões mais recentes, o sistema restringe ainda mais quando os apps podem iniciar atividades em segundo plano:

  • Quando um app envia uma PendingIntent usando PendingIntent#send() ou métodos semelhantes, ele precisa ativar se quiser conceder à própria atividade em segundo plano privilégios de inicialização para iniciar a intent pendente. Para ativar, o app precisa transmitir um pacote ActivityOptions com setPendingIntentBackgroundActivityStartMode(MODE_BACKGROUND_ACTIVITY_START_ALLOWED).
  • Quando um app visível vincula um serviço de outro app que está em segundo plano usando o método bindService(), o app visível precisa ativar o recurso para conceder à própria atividade em segundo plano privilégios de inicialização ao serviço vinculado. Para isso, o app precisa incluir a flag BIND_ALLOW_ACTIVITY_STARTS ao chamar o método bindService().

Essas mudanças ampliam o conjunto existente de restrições para proteger os usuários, impedindo que apps maliciosos usem APIs para iniciar atividades interruptivas em segundo plano.

Travessia de caminhos de arquivo ZIP

Em apps destinados ao Android 14 (nível 34 da API) ou versões mais recentes, o Android evita a vulnerabilidade de travessia de caminho ZIP da seguinte maneira: ZipFile(String) e ZipInputStream.getNextEntry() geram uma ZipException se os nomes de entrada dos arquivos ZIP contêm ".." ou começam com "/".

Os apps podem desativar essa validação chamando dalvik.system.ZipPathValidator.clearCallback().

Para apps destinados ao Android 14 (nível 34 da API) ou versões mais recentes, uma SecurityException é gerada por MediaProjection#createVirtualDisplay em um dos seguintes cenários:

Seu app precisa pedir o consentimento do usuário antes de cada sessão de captura. Uma única sessão de captura é uma invocação única em MediaProjection#createVirtualDisplay, e cada instância de MediaProjection precisa ser usada apenas uma vez.

Processar mudanças de configuração

Se o app precisar invocar MediaProjection#createVirtualDisplay para processar mudanças de configuração, como mudança de orientação ou tamanho da tela, siga estas etapas para atualizar o VirtualDisplay da instância MediaProjection já existente:

  1. Invoque VirtualDisplay#resize com a nova largura e altura.
  2. Forneça um novo Surface com a nova largura e altura para VirtualDisplay#setSurface.

Registrar um callback

Seu app precisa registrar um callback para processar casos em que o usuário não dá consentimento para continuar uma sessão de captura. Para fazer isso, implemente Callback#onStop e faça com que o app libere todos os recursos relacionados, como VirtualDisplay e Surface.

Se o app não registrar esse callback, o MediaProjection#createVirtualDisplay vai gerar uma IllegalStateException quando o invocar.

Atualização das restrições não SDK

O Android 14 inclui listas atualizadas de interfaces não SDK restritas com base na colaboração com desenvolvedores Android e nos testes internos mais recentes. Antes de restringirmos interfaces não SDK, sempre que possível, garantimos que haja alternativas públicas disponíveis.

Caso seu app não seja destinado ao Android 14, é possível que algumas dessas mudanças não afetem você imediatamente. No entanto, embora atualmente seja possível usar algumas interfaces não SDK (dependendo do nível da API de destino do app), o uso de qualquer método ou campo não SDK sempre apresenta um alto risco de corromper o app.

Se você não sabe se o app usa interfaces não SDK, é possível testá-lo para descobrir. Se ele depende de interfaces não SDK, planeje uma migração para alternativas SDK. No entanto, entendemos que alguns apps têm casos de uso válidos para interfaces não SDK. Se você não encontrar uma alternativa para deixar de usar uma interface não SDK em um recurso no app, solicite uma nova API pública.

Para saber mais sobre as mudanças dessa versão do Android, consulte Atualizações para restrições de interfaces não SDK no Android 14. Para saber mais sobre interfaces não SDK em geral, consulte Restrições para interfaces não SDK.